Métodos e Realizações

Coleta de Sementes

  • Coletamos sementes principalmente na reserva, mas também em outras florestas da região.
  • As sementes são coletadas ao longo do ano para garantir que os locais de enriquecimento reflitam a fenologia dos frutos da floresta e proporcionem frutos para a fauna o ano inteiro.
  • Cada grupo de sementes coletadas é armazenado num arquivo com referências taxonômicas (quando conhecidas), as quantidades de sementes e frutos coletados, fotografias dos frutos e sementes, as medidas dos mesmos e o local e data da coleta.

Viveiro

  • As sementes estão plantadas num viveiro construído para o programa.
  • As mudas estão plantadas em sacos com solo da floresta.
  • Quando as mudas alcançam um mínimo de 40 cm, estão prontas para serem transferidas ao campo.

Plantio

  • A época para plantio coincide com a estação mais úmida e fria (março a junho).
  • Nos primeiros anos, experimentamos com espaçamentos de 3, 4 e 5 m entre as plantas, porém descobrimos que 5 a 6 m seja o espaçamento ideal uma vez que com espaços inferiores, as árvores invadem o espaço vizinho.
  • As mudas são plantadas nas entrelinhas das seringueiras que proporcionam sombra (algumas espécies de floresta madura morrem em pleno sol).
  • Onde a vegetação pioneira cria sombra intensa, a cortamos para aumentar a luz que chega às mudas.

Manutenção

  • Temos uma equipe que visita cada plantio a cada 2 a 3 meses para limpar a vegetação que estiver competindo com/ou ameaçando as novas árvores (especialmente o cipó “kudzu” que é nosso inimigo principal).
  • Nos locais onde a saúva for um problema, usamos inseticida (Formex) aplicado na entrada das colônias; fora isso, não usamos herbicidas, inseticidas, fungicidas ou fertilizantes.
  • Cada plantio é mantido por, no máximo, 5 anos e depois abandonado.

Pesquisa

  • Estabelecemos parcelas de monitoramento a longo prazo, posicionado aleatoriamente, em cada plantio significativo, com 30 árvores em cada parcela.
  • Coletamos dados sobre o crescimento e sobrevivência das árvores uma vez por ano em cada parcela.
  • Mantemos registros de todas as despesas relacionadas ao projeto.
  • Dr. Daniel Piotto da Universidade Federal do Sul da Bahia e Dra. Florencia Montagnini da Universidade Yale são consultores do projeto e Dr. Piotto mantem parcelas de longo prazo onde várias estratégias de plantio estão sendo testadas na reserva.
  • Diversos estudantes de pós-graduação já realizaram pesquisas na parte do plantio de enriquecimento.

Realizações
– 2168 grupos de sementes foram coletados;
– 210 espécies plantadas;
– 100.000 novas árvores plantadas;
– 270 ha restaurados;
– 44 parcelas de longo prazo estabelecidas;
– A taxa de sobrevivência das árvores é de 79,5%;
– Os plantios de 2005 a 2007 e alguns dos plantios de 2008 não precisam mais manutenção;
– Os corredores para a vida silvestre têm sido plantados com sucesso, a fauna tem sido registrada nos locais de restauração e inclui importantes dispersadores de sementes como o mutum, macaco prego, papamel e outra fauna como suçuarana, caitetu, coati, veado, paca e tatu.

sepa